Foto: Aira Bonfim/Museu do Futebol

Atletas de etnias indígenas de 30 países se encontraram nos I Jogos Mundiais Indígenas, no Tocantins. Durante os 13 dias de atividades, houve competições de esportes indígenas e esportes ocidentais competitivos. Segundo a organização dos Jogos, o foco do evento não é estimular a competição, mas a integração entre diversas etnias e o resgate da identidade através dos esportes.

Paixão também entre os indígenas e único esporte ocidental presente nos Jogos Mundiais (fonte: EBC), o futebol se fez presente! O Brasil chegou às finais representado pelas seleções masculina e feminina (#JogaPraElas!) do povo Xerente. Nós da love.fútbol adoramos acompanhar as imagens dos jogos e ver que nosso esporte preferido também conquistou os corações e faz parte do cotidiano dos povos tradicionais.

Foto: Aira Bonfim/Museu do Futebol

Foto: Aira Bonfim/Museu do Futebol

Futebol de cabeça

Uma outra modalidade de futebol que marcou presença no evento. O Xikunahati, ou futebol de cabeça, é tradicionalmente praticado pelos povos Paresi, Salumã, Irántxe, Mamaidê e Enawenê-Nawê, do Mato Grosso. Neste tipo de jogo, a partida, disputada por duas equipes, é inciada por uma cabeçada na bola em direção ao campo adversário. A bola não pode ser tocada com as mãos, pés ou outras partes do corpo. 

Saiba mais sobre os Jogos Mundiais Indígenas.


Primeira vez por aqui? A love.fútbol é um movimento que mobiliza e integra comunidades através do futebol, enquanto elas planejam, constroem e mantém seus próprios campos. Sonhamos com um mundo onde todas as crianças tenham a oportunidade de expressar plenamente sua paixão pelo jogo. Conheça a love.fútbol.


Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos e amigas e ajude-nos a espalhar a missão da love.fútbol para mais pessoas! :)


Quer contribuir com a missão de fortalecer comunidades através da paixão pelo futebol?

Comment